Vídeo Técnico

DEFRIZZER CONTROL
ESCOVA DEFINITIVA TIOGLICOLATO AMÔNIO
Significado
Controle: Aquele(a) que detém o domínio da situação; Que consegue analisar e escolher corretamente a força adequada que irá agir transformando os fios.
Frizz: Que apresenta friso, volume, ondulação, alta ou baixa resistência com dificuldade de alinhamento; O que está desordenado.
Chamada Comercial
O creme relaxamento ou alisamento Defrizzer Control é um processo cujo objetivo é alterar a forma mesmo daqueles cabelos que apresentam maior resistência. A força dos cabelos provém de diversas fontes: integridade das estruturas intercelulares que mantém as células unidas umas às outras, integridade da membrana celular que contém as fibras de queratina e diversos tipos de ligações entre as proteínas queratinas dentro destas células. A Guichard Professional desenvolveu o Defrizzer Control para agir sobre as ligações que participam e formam a estrutura da queratina capilar são: ligações covalentes fortes intercadeias dos aminoácidos cistina (S-S) responsáveis pela forma fixa do cabelo, ligações fracas (pontes de hidrogênio, pontes iônicas, pontes de Van der Waals, etc.) “intra e inter” cadeias que se modificam na simples presença de umidade ou água.www.GuichardProfessional.com.br e adquira o produto pelo Distribuidor mais próximo de você ou pelo e-comerce www.GuichardShop.com.br. Maiores informações (51) 3374.0088
Formato: (3) produtos “ uso profissional”
Creme Alisante Tioglicolato de Amônio Suave – Força Suave 8%
Creme Alisante Tioglicolato de Amônio Forte Defrizzer Control – Forte 11%
Pós-tioglicolato - Fixação da nova forma - Bálsamo Neutralizante
Tecnologia Semente de Linhaça, Óleo de Jojoba,  Algodão, Soja e Castanha do Brasil.
Creme Alisante Tioglicolato de Amônio Forte – Forte 11%
Cabelos Naturais - Alta Resistência
PASSO 1 - A
 Concept
Especialmente indicado para relaxar cabelos naturais e resistentes. Nova fórmula desenvolvida com propriedades hidratantes, emolientes e protetoras. Enriquecido com Semente de Linhaça que é altamente emoliente e Óleos de Jojoba que tem ação condicionante e é um poderoso ativo doador de brilho. Possui textura creme, de fácil aplicação. Promove ação anti-frizz, redução de volume e, até mesmo um efeito de escova lisa duradoura com aspecto natural e brilho realçado. Resultado: cabelos perfeitamente lisos, macios, maleáveis, flexíveis e luminosos.
 Modo de usar: vide prospecto
 Teste de Mechas
Selecione uma mecha na parte superior da cabeça composta por fios mais sensíveis e outra na nuca composta por fios mais resistentes e proceda ao passo a passo do prospecto até o final. O tempo de ação do produto e alisamento da fibra capilar pode variar de acordo com a estrutura do fio e do resultado final desejado, por isso recomendamos que durante todo o processo químico seja observada a reação do cabelo utilizando o tempo indicado apenas como referência. O tempo gasto no relaxamento da mecha não quer dizer que será o mesmo para todo o cabelo. Durante o relaxamento deve-se acompanhar o comportamento dos fios nas diversas partes da cabeça (partes superiores expostas ao sol, franja e pontas são mais sensíveis). Se os fios ficarem com aspecto quebradiço ou apresentarem qualquer ação negativa, significa que os cabelos não estão em condições para o relaxamento. Neste caso aconselhamos tratar os cabelos até que em novo teste de mecha os fios se mostrem resistentes.  RETOQUE: Aplique o creme relaxante somente na parte crescida. Proteja bem a parte com química antes de fazer o retoque.
Precauções
Uso Externo. CUIDADO! Contém substâncias passíveis de causar irritação na pele de determinadas pessoas. Antes de usar, faça o teste de mecha e a neutralização que são obrigatórios. Não aplicar se o couro cabeludo estiver irritado ou lesionado. Manter em lugar fresco, ao abrigo da luz intensa e fora do alcance das crianças. Evitar contato com os olhos. Em caso de contato, enxaguar com água imediata e abundantemente e procurar um médico. Usar luvas adequadas. Contém sais de ácido tioglicólico. Seguir as instruções de uso. Este produto somente pode ser utilizado para o fim a que se destina. O uso indevido deste produto pode causar dano aos cabelos e ao couro cabeludo. Não use touca ou qualquer equipamento que proporcione calor. Este produto está contraindicado a pessoas que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.  Este preparado somente deve ser usado para o fim a que se destina, sendo PERIGOSO para qualquer outro uso. Não recomendado para gestantes. Não usar em crianças. Só para uso profissional. Armazenar em lugar fresco, seco e protegido da claridade. Não reaproveitar a embalagem. Consulte nosso Centro Técnico. A linha de produtos da Guichard (Gp) foi desenvolvida para uso profissional.
      Creme Alisante Tioglicolato de Amônio Suave – Força Suave 8%
Cabelos Coloridos - Baixa Resistência
PASSO 1-B
Concept
Creme Alisante Tioglicolato de Amônio Suave – Força Suave 8% Especialmente indicado para relaxar cabelos finos e porosos. Nova fórmula desenvolvida com propriedades hidratante, emoliente e protetora. Enriquecido com Semente de Linhaça que é altamente emoliente e Óleo de Jojoba que tem ação condicionante e é um poderoso ativo doador de brilho. Possui textura creme, de fácil aplicação. Promove ação anti-frizz, redução de volume e, até mesmo um efeito de escova lisa duradoura com aspecto natural e brilho realçado. Resultado: cabelos perfeitamente lisos, macios, maleáveis, flexíveis e luminosos.
Modo de usar vide prospecto completo
Teste de Mechas
Selecione uma mecha na parte superior da cabeça composta por fios mais sensíveis e outra na nuca composta por fios mais resistentes e proceda ao passo a passo do prospecto até o final. O tempo de ação do produto e alisamento da fibra capilar pode variar de acordo com a estrutura do fio e do resultado final desejado, por isso recomendamos que durante todo o processo químico seja observada a reação do cabelo utilizando o tempo indicado apenas como referência. O tempo gasto no relaxamento da mecha não quer dizer que será o mesmo para todo o cabelo. Durante o relaxamento deve-se acompanhar o comportamento dos fios nas diversas partes da cabeça (partes superiores exposta ao sol, franja e pontas são mais sensíveis). Se os fios ficarem com aspecto quebradiço ou apresentarem qualquer ação negativa, significa que os cabelos não estão em condições para o relaxamento. Neste caso aconselhamos tratar os cabelos até que em novo teste de mecha os fios se mostrem resistentes.
Retoque
Aplique o creme relaxante somente na parte crescida. Proteja bem a parte com química antes de fazer o retoque.
Precauções Uso Externo. CUIDADO!
Contém substâncias passíveis de causar irritação na pele de determinadas pessoas. Antes de usar, faça o teste de mecha e a neutralização que são obrigatórios. Não aplicar se o couro cabeludo estiver irritado ou lesionado. Manter em lugar fresco, ao abrigo da luz intensa e fora do alcance das crianças. Evitar contato com os olhos. Em caso de contato, enxaguar com água imediata e abundantemente e procurar um médico. Usar luvas adequadas. Contém sais de ácido tioglicólico. Seguir as instruções de uso. Este produto somente pode ser utilizado para o fim a que se destina. O uso indevido deste produto pode causar dano aos cabelos e ao couro cabeludo. Não use touca ou qualquer equipamento que proporcione calor. Este produto está contraindicado a pessoas que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.  Este preparado somente deve ser usado para o fim a que se destina, sendo PERIGOSO para qualquer outro uso. Não recomendado para gestantes. Não usar em crianças. Só para uso profissional. Armazenar em lugar fresco, seco e protegido da claridade. Não reaproveitar a embalagem. Consulte nosso Centro Técnico. A linha de produtos da Guichard (Gp) foi desenvolvida para uso profissional.
Bálsamo Condicionante Neutralizante
Pós – Tioglicolato de Amônio - Fixação da nova forma
Passo.2
Pós-tioglicolato - Fixação da nova forma - Bálsamo Neutralizante Possui em sua nova formulação propriedades hidratantes, emolientes e protetoras. Confere maciez, sedosidade e maleabilidade aos cabelos no processo de finalização de alisamento com tioglicolato, potencializando o brilho e proporcionando um resultado muito natural. Reequilibra o pH e oxidante responsável pela neutralização da ação relaxante do tioglicolato, "alinha" aos fios e restaura a resistência da fibra capilar.  Enriquecido com Óleos Vegetais de Algodão, Soja e Castanha do Brasil que além de proteger os fios promove hidratação e emoliência, deixando seus cabelos com brilho intenso.
Precauções Uso externo. CUIDADO!
Contém substâncias passíveis de causar irritação na pele de determinadas pessoas. Não aplicar se o couro cabeludo estiver irritado ou lesionado. Manter fora do alcance das crianças. Armazenar em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz intensa e sempre na posição vertical. Evitar contato com os olhos. Em caso de contato, enxaguar com água imediata e abundantemente e procurar um médico. Usar luvas adequadas. Contém peróxido de hidrogênio. Este produto está contraindicado a pessoas que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula. Seguir as instruções de uso. Não se recomenda o uso deste produto em gestantes ou crianças. Exclusivo para uso profissional. Não reaproveitar a embalagem. Este preparado somente deve ser usado para o fim a que se destina, sendo PERIGOSO para qualquer outro uso.
Prospecto
CONSIDERAÇÕES GERAIS
A Guichard Professional preocupa-se com a segurança e proteção de seus clientes. Pedimos gentilmente total atenção e prudência dos profissionais antes, durante e depois das aplicações.
Acreditamos que para facilitar seu entendimento, redigimos abaixo o prospecto do Defrizzer Control e pedimos que as instruções sejam seguidas corretamente.
            O relaxamento ou alisamento é um processo cujo objetivo é alterar a forma do cabelo. A força dos cabelos provém de diversas fontes: integridade das estruturas intercelulares que mantém as células unidas umas às outras, integridade da membrana celular que contém as fibras de queratina e diversos tipos de ligações entre as proteínas queratinas dentro destas células.
            As ligações que participam na estrutura da queratina capilar são: ligações covalentes fortes intercadeias dos aminoácidos cistina (S-S) responsáveis pela forma fixa do cabelo, ligações fracas (pontes de hidrogênio, pontes iônicas, pontes de Van der Waals, etc.) intra e inter cadeias que se modificam na simples presença de umidade ou água.
            A água enfraquece as pontes de hidrogênio e as ligações iônicas resultando no inchamento do fio. O fio molhado é cerca de 10% mais espesso que o fio seco. Os álcalis atuam mais drasticamente que a água. Após 30 minutos o pH 9,5, fica cerca de 50% mais denso em relação ao fio seco. Quanto maior o pH, maior é o inchaço. Cabelos danificados incham mais rapidamente e intensamente que cabelos saudáveis.  Após o processo de relaxamento, o cabelo ficará inchado por alguns dias antes de retornar ao seu estado natural.
            O objetivo do pH alcalino é abrir temporariamente cerca de 25 a 30% das pontes cistina  (S-S  → S- + -S) liberando as proteínas para alinhamento e consequente alisamento. O pH alcalino do creme relaxante incha o fio, abrindo as cutículas e dilatando o córtex, permitindo que o ativo alisante entre na fibra e se espalhe por todo o córtex reagindo com a queratina onde estão os aminoácidos que contém as ligações cistina.
            Para mudarmos a forma dos cabelos é preciso recorrer a agentes alcalinos fortes que dilatam a fibra capilar e rompem as ligações de cistina (S-S) permitindo que os aminoácidos cisteína (S- + -S) deslizem uns sobre os outros. Então, mecanicamente, posicionamos as fibras na forma desejada e, com o auxílio de um neutralizante, restabelecemos as pontes dissulfeto dando uma nova forma ao cabelo.
O processo de alisamento dos cabelos segue os seguintes passos:
            1º. Inchar o fio = levantar as cutículas e abrir o córtex
            2º. Romper as ligações responsáveis pela resistência do cabelo
            3º. Dar nova forma aos cabelos alinhando as fibras de queratina
            4º. Fixar a nova forma.
            Fatores que influenciam na obtenção do resultado desejado: estrutura do fio, temperatura ambiente (verão ou inverno), tempo de processo, tipo de agente químico utilizado, pH do álcali, concentração do álcali, técnica utilizada no processamento do cabelo, enxágue e neutralização (fixação da nova forma).
Ácido tioglicólico (ácido mercaptoacético ou ácido sulfidrilacético)
            O relaxamento com tioglicolato (de amônio ou de etanolamina) é uma reação de oxi-redox que preserva as pontes cistina após a neutralização. Primeiro, o tioglicolato abre as pontes dissulfeto (S-S   →     SH + SH) através de uma reação de redução e, depois, o oxidante (peróxido de hidrogênio e bromato de sódio) refaz as ligações dissulfeto por uma reação de oxidação. Assim, ao remover o creme alisante no enxágue, as pontes dissulfetos estão, e permanecem desligadas até que seja aplicado o oxidante.
            Composto orgânico, o ácido tioglicólico (HS-CH2-COOH) é um alfa-hidroxiácido com presença de um radical sulfidrila em sua posição alfa. Devido ao grupo mercapto (-SH) contido em sua molécula, o ácido tioglicólico é um redutor energético, quando em pH alcalino (8,5 – 9,5). 
            O ácido tioglicólico não é empregado na forma livre, mas em solução diluída do seu sal, principalmente, de amônio (tioglicolato de amônio), de etanolamina (tioglicolato de etanolamina) ou a combinação de ambos. O tioglicolato de etanolamina (PM 153,2), em comparação ao tioglicolato de amônio (PM 109,15), é mais suave sendo mais indicado para cabelos mais finos e cabelos porosos. Ambos atuam como alisante capilar através de uma reação de oxi-redução.
CONSIDERAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA UM ALISAMENTO SEGURO
1. Pré-requisito
            Vários fatores podem impossibilitar o relaxamento ou simplesmente marcar os fios em regiões mais fragilizadas, resultando assim em quebra durante ou após o alisamento. Por isso é importante coletar informações sobre gravidez, doenças e tratamentos, dietas e regimes alimentares, uso de medicamentos por períodos prolongados e identificar se houve algum tipo de estresse emocional, pois todos estes fatores podem influenciar o resultado final.
2. Teste de alergenicidade
            A alergia é uma hipersensibilidade a uma determinada substância ou agente físico. Portanto, não tem cura. O melhor a fazer é identificar o agente causador dessa hipersensibilidade e evitar novamente futuros contatos. Assim, existem pessoas alérgicas a perfumes, filtro solar, camarão, esmalte, poeira, bolor, produtos de limpeza, etc. Produto não dá alergia, mas nós é que estamos sujeitos a ser alérgicos a alguma coisa. É algo extremamente normal. Existem pessoas que são bastante alérgicas.
            Na pele, um processo alérgico se traduz em vermelhidão, coceira, um leve inchaço e aumento de temperatura que ocorre apenas no local onde o produto foi aplicado. Assim, se a pessoa tem alergia, os sintomas alérgicos surgirão apenas na região que entrou em contato com o produto. Um processo alérgico generalizado só ocorre por ingestão ou inalação.
            O teste de alergenicidade deve ser realizado pelo menos um dia antes da aplicação do produto do seguinte modo: aplica-se, sobre a pele previamente limpa, uma pequena quantidade de produto na região do pescoço imediatamente atrás da orelha. Deixe o produto em contato com a pele observando se há o
aparecimento de vermelhidão e se há sensação de coceira (baixo nível de dor) ou ardência. Deixe o produto em contato com a pele por, no máximo, 30 minutos. Remova o produto e limpe a região com o auxílio de algodão embebido em soro fisiológico. Observe novamente a pele e aguarde até o dia seguinte para nova avaliação.
3. Perfil do candidato ao alisamento
            O objetivo é verificar se existem hábitos inadequados que fazem com que os fios fiquem sensíveis a procedimentos de transformação química ou se, após o alisamento, tais hábitos venham sensibilizar os fios tornando-os quebradiços e ressecados.
            É importante levantar um histórico do candidato ao alisamento, assim como um médico faz o levantamento do paciente antes de prescrever o tratamento.  Fatores a serem abordados deverão conter algumas questões tais como:
            - Qual é o shampoo e o condicionador normalmente utilizado: Se faz uso de produtos populares, com certeza a fibra capilar se encontra mais permeável;
            - Com que freqüência costuma lavar os cabelos: Quanto maior a frequência com que costuma lavar os cabelos, maior será a porosidade do fio. O ato de lavar, enxugar, pentear, escovar, secar no secador e manipular os cabelos, aumenta a erosão natural das cutículas e, consequentemente, a porosidade do fio tornando-o mais permeável e menos resistente ao processo de alisamento;
            - Frequência do uso de secador e chapinha: Cabelos frequentemente submetidos à escovação e altas temperaturas são bastante frágeis, pois podem conter “bolhas” como em queimaduras e pontos de ausência de cutícula devido ao excesso de erosão causado pela escova;
            - Se tem o hábito de manter os cabelos úmidos: Por estar constantemente molhada, a fibra capilar vai amolecendo e ficando muito elástica, esticando em excesso ao pentear, tornando-se quebradiça e áspera quando seca. 
            - Se costuma manter os cabelos presos diariamente: O ato de prender constantemente os cabelos provoca uma ação repetitiva de pressão ou constrição sobre a fibra capilar em determinada região. Durante um alisamento os fios podem partir exatamente onde ficaram marcados pelo costume de estarem sempre presos.
            - Se já foi feita alguma química anteriormente, citar o nome do(s) produto(s) utilizado para identificar incompatibilidades: Hennas e outros ativos metálicos presentes em alguns produtos indicados para disfarçar os fios brancos de forma “natural” se depositam sobre a fibra capilar e reagem intensamente com álcalis fortes provocando um aquecimento perceptível e consequente quebra dos fios; cabelos que contenham resíduos de tioglicolato podem partir num alisamento com hidróxido e, etc.
            - Se já descoloriu os cabelos em algum momento: A descoloração pode estar escondida em uma coloração natural. O processo de descoloração é o processo de despolimerização do pigmento melanina do cabelo que é uma proteína, reduzindo-a a pequenas unidades solúveis em água. Como a fibra capilar é composta também por uma proteína (queratina), ao final da descoloração, o cabelo está cheio de “buracos” anteriormente repletos de melanina e muito sensibilizado, excessivamente poroso e muito quebradiço. Neste caso, o alisamento com tioglicolato está contra-indicado.
4. Avaliação do Couro Cabeludo
            Deve-se avaliar a pele do couro cabeludo em toda a sua extensão juntamente com a pele da face e pescoço verificando textura e grau de oleosidade. Pele mais grossa e pele mais oleosa são menos sensíveis e mais resistentes ao contato com o creme alisante que peles finas e secas. Contudo, o ideal é que o produto alisante não entre em contato de modo algum com a pele do couro cabeludo.
            Identificar a presença de dermatite seborréica, pontos de irritação, áreas onde os fios se encontram rarefeitos e se não está havendo queda excessiva. Qualquer alteração deve ser avaliada por um médico dermatologista antes do relaxamento.  
             Verificar o direcionamento da fibra capilar em toda a extensão da cabeleira o qual deverá ser respeitado, não contrapondo ao sentido do fio, durante o processo de relaxamento para que se previna a quebra do fio rente ao couro cabeludo.
5. Avaliação dos cabelos
            Queda: verifique se já está com queda ou propensão à queda devido ao uso de medicamento, amamentação, pós-parto, sensibilidade alérgica, regime, diabete, pressão alta, seborréia, etc. Nestas condições a queda pode ainda não ser perceptível, mas o relaxamento está contra indicado, pois, os fios poderão estar fragilizados.
            Grau de resistência ao estiramento: testar a resistência do fio na raiz, meio e ponta. Repita o processo em diferentes partes da cabeça. - Pouco resistente rompendo-se facilmente - não execute o trabalho de relaxamento. - Muito resistente – o tempo de processamento poderá ser mais demorado.
            Teste de porosidade: deve-se também fazer o teste contra crescimento para diagnosticar a porosidade do fio. A porosidade é provocada por carência ou ausência de cutículas ao longo do fio expondo ou facilitando o acesso ao córtex (região mais interna da fibra capilar que contém a forma e a cor dos cabelos). Cabelo poroso apresenta uma característica meio que arenosa indicando que no processo de relaxamento o produto será rapidamente absorvido e o tempo de relaxamento, por consequência, será menor. Muitas vezes o mais indicado é que sejam feitas diversas sessões de hidratação antes do processo de relaxamento para que o cabelo se encontre em perfeitas condições de elasticidade e porosidade. Quanto maior a porosidade do fio, menor será o obstáculo à penetração da química, menor será o tempo necessário para o alisamento e maior será a fragilidade do fio. Os cabelos mais porosos absorvem rapidamente uma maior quantidade de produto do que um cabelo impermeabilizado por cutículas saudáveis. Para avaliar o grau de porosidade proceda da seguinte forma: deslize várias vezes o fio de cabelo entre os dedos tentando tatear, ou identificar, a presença de imperfeições e irregularidades na superfície do fio desde a raiz até as pontas. Repita o processo em diferentes partes da cabeça.
            Teste de mecha: O teste de mecha consiste em simular o relaxamento em todos os seus passos a fim de confirmar a resistência dos fios (raiz, meio e pontas), calcular o tempo aproximado que será necessário para a obtenção do efeito desejado, observar o grau de dificuldade para enluvar, cuidando o resultado depois de neutralizado e seco. O teste é indispensável para identificar qualquer resíduo de produto químico anterior que por ventura esteja no cabelo, incompatibilizando com o ativo relaxante escolhido e também a sensibilidade do couro cabeludo em contato com o produto mesmo que acidentalmente. Recomenda-se que cinco minutos antes de terminar o processo encoste-se o produto no couro cabeludo para verificar a resistência do mesmo.  Deve-se selecionar mais de uma mecha teste buscando uma melhor representatividade do todo, de preferência, alto da cabeça e laterais. IMPORTANTE: O RETOQUE deve ser realizado somente na parte crescida.
DICAS DO TÉCNICO:Forma de aplicação.
            Conforme grade o tempo de exposição do produto assim como o teste são fundamentais para o resultado de excelência do produto. Seguindo um padrão único desenvolvido pela GUICHARD PROFESSIONAL  o tempo de aplicação do produto se dará por igual em toda a cabeça.  Dividir a cabeça em quatro quadrantes no sentido horário começando pelo quadrante de traz . 
DIVISÃO:
 PASSO A PASSO
Vide explicações preliminars no prospecto
PREPARAÇÃO: Lavar ligeiramente a primeira vez a fim de remover os resíduos que se opõem à formação plena da espuma. Enxaguar e aplicar o shampoo novamente massageando suavemente, mantendo alinhamento dos fios, até que se forme uma espuma rica e cremosa. Enxaguar bem. Enxugar, desembaraçar e SECAR COM SECADOR. Evitar contato com os olhos. Em caso de contato, enxaguar com água imediata e abundantemente e procurar um médico. Usar luvas adequadas.
1. APLICAÇÃO (PASSO 1): Dividir os cabelos em 4 partes. Iniciar a aplicação de Creme AlisanteTioglicolado de Amônio Super (cabelos naturais e resistentes) ou Tioglicolado de Amônio Suave (cabelos finos e porosos) com o auxílio de um pincel mecha a mecha no sentido natural do crescimento do cabelo, mantendo a distância de 1 cm do couro cabeludo e começando pela nuca. Aplicar apenas no comprimento poupando as pontas para os minutos finais. No alto da cabeça, aplicar com os fios retos, para cima, deixando os fios caírem no sentido natural do crescimento evitando dobras próximo à raiz. Não aplicar o produto sobre a mecha testada.
2. TEMPO DE APLICAÇÃO: O tempo total de aplicação não deverá ultrapassar 10 minutos. Controle o tempo a partir da aplicação na primeira mecha. Não penteie nem friccione os cabelos durante a aplicação da mistura relaxante, pois as pontes dissulfetos responsáveis pela forma fixa do cabelo ainda não foram abertas e o estiramento só poderia resultar em fragilização do fio.
3. TEMPO DE PAUSA (5 a 15 minutos): Finalizada a aplicação do creme alisante, deixe o produto agir até que a fibra fique elástica, ou seja, até que as pontes dissulfetos responsáveis pela forma fixa do cabelo tenham se rompido.  Faça o teste de 2 em 2 minutos para verificar se a fibra já está elástica: estique o fio provocando um alongamento e ao soltar observe o retorno do fio sem franzir. Repita a operação no alto da cabeça, na nuca e na franja. Não cubra a cabeça com plástico, toalhas, toucas, papel alumínio ou outros materiais que possam causar calor.
4. ALISAMENTO (5 a 20 minutos): Volte à nuca e com a ajuda de um pente fino não metálico alise suavemente cada mecha sem repuxá-la e sem fazer pressão. Procure não deixar que o produto alcance as pontas e a raiz. Faça isso sempre no sentido do comprimento.  Deixe o produto agir de acordo com o resultado final desejado sempre acompanhando simultaneamente relaxamento, elasticidade e aspecto da fibra. O fio não pode franzir, pois isso indicará que o cabelo não suportou o tempo deixado. Já no lavatório, com o auxílio de um pente, trazer o creme alisante para as pontas. Deixar agir mais alguns minutos e enxaguar.
            Como no processo de alisamento apenas parte das pontes dissulfeto são abertas para realinhamento, restam ainda muitas ligações responsáveis pela forma fixa do cabelo que preservam a configuração ditada pela genética da pessoa. Portanto, é comum haver o retorno de algumas mechas causando ondulações muitas vezes indesejáveis. Se aplicarmos o shampoo após o creme alisante, podemos facilitar esse retorno, pois, o pH ácido do shampoo faz com que a proteína queratina do cabelo restabeleça sua condição da alfa-hélice (rosca sem fim) tendendo a puxar as fibras que ainda estão abertas para a posição inicial de antes do alisamento. Assim sendo, o indicado é que o oxidante seja aplicado imediatamente após a remoção do creme alisante.
5. ENXÁGUE: Após o tempo de ação do alisante, enxágue abundantemente os cabelos com água morna mantendo o alinhamento dos fios. A água deve ser abundante o suficiente para que o produto seja facilmente retirado e deve apresentar uma temperatura tal que facilite a fluidez do creme alisante depositado sobre os fios. Enxágue os cabelos até que a água saia limpa e cristalina sem resíduos de produto. Dedique um bom tempo ao couro cabeludo, nuca e pontas. Lembre-se que a neutralização, ou seja, a reconstrução das pontes dissulfeto (ou cistina) responsáveis pela nova forma dos cabelos, no relaxamento com tioglicolato, só ocorre no momento da aplicação do oxidante. Assim, se o alinhamento não for mantido no enxágue poderá haver retorno parcial de pequenas ondas em alguns pontos.
6. BÁLSAMO CONDICIONANTE NEUTRALIZANTE (PASSO 2): Remova o excesso de água com uma toalha macia e aplique o Neutralizante em mechas finas, passe um pente fino para melhor distribuição do produto, deixe agir por 15 minutos e enxágue.
7. RETEXTURIZE STYLING HAIR TOOLS END (PASSO 3): No lavatório, borrifar mecha a mecha da raiz até as pontas do Retexturize Styling Hair Tools End. Passar um pente fino para melhor distribuição do produto. Depois de aplicado em toda a cabeleira, deixar agir por alguns minutos e enxaguar bem. Remover o excesso de água com uma toalha.
INFORMAÇÕES ÚTEIS
Sensibilização
            A sensibilização não provoca queda dos fios. Ocorre porque a pele também é queratina e contém pontes dissulfeto onde o álcali forte amolece e o ativo relaxante desestrutura. Como a pele contém inervação a resposta à agressão é a ardência. O organismo por sua vez entra em ação no processo de regeneração e cicatrização.
            A sensibilização pode ocorrer nos seguintes casos:
            - A pele do couro cabeludo é fina e ressecada ou já se encontra sensibilizada ou lesionada;
            - O creme alisante permaneceu em contato com a pele do couro cabeludo por um tempo excessivo;
            - O procedimento de alisamento junto à raiz foi muito repetitivo e prolongado.
            Essa sensibilização começa com uma sensação de leve coceira que evolui para ardência e até dor. O processo de relaxamento deve ser imediatamente interrompido ao menor sinal de ardência, devendo enxaguar abundantemente finalizando o processo de alisamento.
            Ao observar o couro cabeludo as manchas avermelhadas resultantes representam uma leve queimadura. Uma bolha contendo líquido de cicatrização irá se formar e ao estourar terá um odor característico de proteína e fará com que alguns fios fiquem colados ao couro cabeludo. Em aproximadamente 3 dias uma crosta de cicatrização irá se formar e em 5 dias não haverá mais sequelas. Não se deve lavar a cabeça nesse período e deve-se evitar coçar ou interferir no processo natural de cicatrização tomando o cuidado com o pente para que ele não estoure a bolha ou arranque a crosta.
Importância crucial na utilização do leave-in em cabelos quimicamente tratados
            A definição de cabelos bonitos e saudáveis pode ser traduzida em brilho, maciez, sedosidade e maleabilidade. O cabelo é formado por milhares de células dispostas de forma concêntrica e, didaticamente é dividido em regiões: medula, córtex e cutícula.
            As estruturas moleculares responsáveis pela cor e pela forma dos cabelos estão contidas na região cortical da fibra capilar. O córtex é inatingível numa fibra capilar saudável, pois está totalmente isolado do meio externo por várias camadas de células perfeitamente justapostas formando um paredão que denominamos cutículas ou escamas.
            As cutículas, por sua vez, estão dispostas em justaposição, de forma imbricada, distribuindo-se em várias camadas. Nos cabelos lisos e saudáveis encontram-se tão bem alinhadas que tornam os cabelos luminosos, perfeitamente desembaraçados, com muito movimento e toque sedoso. Essa luminosidade se deve ao reflexo da luz que ao incidir sobre as cutículas alinhadas retorna sem sofrer distorções. Assim, podemos dizer que se queremos cabelos bonitos e saudáveis temos que cuidar das cutículas.
            No entanto, tal como a pele, as cutículas sofrem constante processo de agressão do meio ambiente e de esfoliação que resultam em fragilização com consequente erosão. Práticas diárias tais como lavar os cabelos, secar com a toalha, pentear, escovar, uso de secador, passar as mãos pelos cabelos, vento e, etc. vão provocando um desgaste nos fios que vai se tornando perceptível à medida que os cabelos vão crescendo. Esse desgaste apresenta características de susceptibilidade muito parecidas à dos cabelos processados quimicamente.
            A radiação solar acelera o processo de envelhecimento da pele e dos cabelos. A energia contida nos raios solares é suficiente para formar radicais livres a partir da destruição das ligações químicas de moléculas estáveis. Os danos induzidos pelos radicais livres podem afetar muitas moléculas biológicas, incluindo lipídeos, proteínas, carboidratos e vitaminas. O envelhecimento do fio pode ser percebido pelo clareamento dos fios em cabelos escuros, amarelamento dos fios em cabelos claros, perda de brilho, ressecamento, maior embaraçamento e consequente quebra. É o que costumamos chamar de cabelos desvitalizados. O cabelo envelhecido é seco e quebradiço, apresenta-se sempre muito arrepiado e áspero ao toque.
            A mudança de cor e forma do cabelo envolve uma verdadeira cirurgia plástica. Precisamos abrir caminho para alcançar a região cortical lançando mão de agentes alcalinos fortes que “levantam” as cutículas dilatando toda a fibra capilar e facilitando a difusão dos ativos de transformação química para dentro da região cortical. A cutícula fica então, sensibilizada e fragilizada, tornando-se muito susceptível aos agentes externos tais como, baixa umidade do ar, radiação solar, vento, poluição, fuligem, shampoo, minerais contidos na água de lavagem, secador, chapinha e, etc.
            Para proteger, restaurar e reparar as cutículas danificadas, os produtos cosméticos se especializaram. As pesquisas se intensificaram e foram desenvolvidos ativos cada vez mais eficazes que atuam sobre a fibra capilar revitalizando e reestruturando essa camada externa que protege a integridade da cor e a forma dos cabelos. Atualmente podemos contar com produtos de relaxamento que proporcionam um tratamento simultâneo que minimiza o impacto que o álcali pode causar.
            Infelizmente, as cutículas dos cabelos não são renovadas periodicamente como a epiderme da pele. Elas são formadas na raiz e, se não forem bem cuidadas, vão se perdendo com o crescimento do fio. À medida que as cutículas vão se perdendo, vai indo embora também a beleza dos cabelos. Por isso, é tão importante cuidar da pele dos cabelos, ou seja, cuidar das cutículas. Utilizar um creme hidratante diariamente sobre os cabelos é tão importante quanto utilizar um hidratante protetor solar sobre a pele diariamente. Os cremes hidratantes capilares são imprescindíveis, ou melhor, são vitais para garantir os cabelos bonitos e saudáveis.
            Conhecidos como leave-in, leave-in, antifrizz, defrizante, desembaraçante, hidratante, redutor de volume e,
etc., os cremes capilares sem enxágue são destinados a proteger os cabelos das agressões externas, preservar as cutículas que ainda estão íntegras e formar um filme protetor que simule as cutículas perdidas. São cremes hidratantes que aumentam o poder de retenção de água sobre o fio por muito mais tempo e que, mesmo em dias de baixa umidade de ar, seguram as moléculas de água formando pontes de hidrogênio, não deixando que o ar seco sequestre tais moléculas tão vitais ao cabelo. Formam um filme de proteção contra os danos do meio ambiente e contém ativos que preenchem as porosidades impedindo o acúmulo de resíduos ambientais.
            Saber como usar, que quantidade usar e quando usar um creme hidratante capilar é tão importante quanto saber utilizar corretamente um protetor solar sobre a pele. O creme hidratante capilar dever ser aplicado sempre sobre os cabelos limpos e, pelo menos, levemente umedecidos. Se considerarmos a superfície que cada fio de cabelo possui, multiplicarmos pelo número de fios que temos na cabeça e considerarmos o comprimento dos cabelos, fica claro que a quantidade de produto que devemos aplicar é muito maior do que sempre utilizamos. Outro fator importante é que as pontas são sempre mais carentes de cutículas e, as que sobraram estão envelhecidas, portanto, devemos começar a aplicação pelas pontas que precisam de uma quantidade maior de produto e, em seguida, devemos dar preferência aos fios mais expostos às agressões do meio ambiente.
            Cuidar dos cabelos é tão importante quanto cuidar da pele. Manter os cabelos hidratados é um excelente tratamento preventivo contra o envelhecimento precoce dos fios.

Veja Também